Terça-feira, 9 de Outubro de 2007

angola os dias do desespero - Horácio Caio, 1961

 
      É talvez o livro mais difundido sobre os acontecimentos de 61, em Angola, com, pelo menos, 20 edições. O seu sucesso deve-se sobretudo ao acervo fotográfico com dezenas de fotografias, muitas delas de pessoas barbaramente assassinadas, nomeadamente na zona do Quitexe e na própria povoação. Apesar de já as termos visto difundidas na net, não as publicaremos por respeito pelos mortos e sua famílias.
 
O livro inicia-se com o relato da chegada dos primeiros refugiados a Luanda:
 
 
“Os primeiros refugiados vêm do Toto e Negage. Outros chegam de Quitexe(1), Quibaxe, Cuimba, Mavoio, Camabatela, Nambuangongo e Nova Caipemba. Vou tomando nota dos nomes: (…) Celestino Guerra Pereira, outro velho por cujos queixos corre uma barbicha rala e grandes lágrimas e que me fala, soluçando, nos companheiros que lá deixou: Guilhermino Pereira, António da Rocha e mulher e filhos; (…) Maria Rosa Soares, que descreve os pormenores da chacina do Quitexe e me fala da acção do Dr. Almeida Santos que, de arma na mão, persegue os facínoras nas ruas da povoação; uma mulher ferida na mão direita à catanada, quando lutou com um negro que pretendia matá-la, e que chora agora, convulsivamente, ao lembrar que contou 26 mortos no Quitexe e que junto de si foi morta uma criança de 8 anos. (…)
 
Ele, 80 anos; ela 75; quarenta e cinco vividos no Quitexe. Cabelos brancos sob o chapéu e o lenço negro a cobri-los. O homem solene, a mulher com um grande braçado de flores que ia levar aos santos da igreja. Mortos assim, às 8 e 30 de ontem no Quitexe.
Não consegui saber-lhes os nomes(2). Mas registo a serena silhueta dos velhos, sobraçando flores que levaram ao próprio enterro.”
 
Depois inicia a descrição da sua viagem de avião ao Norte, começando pelo Quitexe o que nos parece inverosímil porque nesta data não havia qualquer pista para aterragem de aviões ou avionetas nesta povoação. Não seria possível, por isso, aterrar e voltar a levantar voo a caminho do Ambriz. Homenagem à gente branca do Quitexe ou tentativa de apresentar as fotografias dos mortos no Quitexe, sem indicação do autor, como suas?
 
“Sobrevoamos o Quitexe, Nambuangongo e o Ambriz. Dezoito de Março, sábado. Do ar, apenas parte da extensão da tragédia. Lá em baixo não podemos distinguir senão as depredações cometidas contra as casas e os acampamentos das fazendas. Apenas pomos pé em terra, o espectáculo modifica-se e a metamorfose repelente da vida é formal, súbita, dolorosa.
Quitexe, quatro horas da tarde, uma rua e as matas sufocantes a abafá-la. O cheiro dos mortos, a presença dos mortos a apodrecer, a náusea dos vivos. Imagem do crime. Pulsação apenas. Sangue, sangue, sangue.
A terrifica face das casas esventradas, os cadáveres das crianças e das mulheres.
Ponho as mãos na cabeça, fecho os olhos. Não quero ver. Mas conservo a primeira imagem na mente. E sombras e fantasmas. E o ódio. O ódio que sente quem faz a guerra e reconhece que o inimigo não é humano. “ Isto não é uma guerra” – penso. “Desumano demais para ser uma guerra”.
Encontramo-nos em frente da Administração, cujos vidros estão partidos e as paredes ensanguentadas. A nosso lado, de olhos parados mas muito vermelhos, Bernardo de Oliveira e Emídio Martins. Não comem, nem bebem há três dias. As suas mãos estão feridas dos punhos e das culatras das catanas e armas.
         “Raios partam a vida” – disse um. “Raios partam os negros” concluiu depois.
“Olhem o que fizeram” – acrescentou o outro. – “Filhos da puta”, proferiu entre dentes cerrados e raivosos.
         E estávamos nisto. Nós, sem conseguirmos uma decisão. Eles que foram decididos, agora mais abatidos pela nossa presença. Com a floresta à ilharga da rua principal, talvez trinta homens, sem armas quase, esperando não sei o quê, sem coragem para enterrar os mortos, como se eles fossem um catalizador necessário para os heróicos feitos que eu depois veria praticar a estes bravos colonos.
          A lama da rua salpicou-nos quando ouvimos o roncar do jipe. Saltou um homem decidido. Chama-se Orlando. Orlando Traila. Chega do Zalala. Traz os olhos de espanto. Olhos terríveis. Vermelhos também.
         “Todos mortos no Zalala. Trago aqui alguns” – abateu sobre nós.
         Zalala é a fazenda do Ricardo Gaspar. Era a melhor de todo o Congo. Agora não é senão um campo de mortos e depredações. Tudo destruído. Nem um ultimo sopro de vida. A ferocidade dos facínoras chegou ao ponto de degolar as crianças. E as mulheres, despidas, tinham um pau aguçado espetado no sexo.
         (…)
         Aqui estamos. Homens impotentes, no coração do Congo construído com o suor destes mesmos homens. Ensopado com o sangue de suas mulheres e filhos.
         Não há militares, não há tropa. Ninguém ousa lembrar isto. Mas todos sabemos que, se ficarem aqui mais uma noite, estes homens poderão estar mortos amanhã.
         Ao sentar-me no avião, a caminho de Ambriz, pensei em como são corajosos e abnegados. E em como ficam desprotegidos. E que estão a enterrar os seus mortos. E que ficarão vigilantes sobre as suas sepulturas, de armas na mão, até romper de novo a madrugada.
         Não esquecerei mais os seus rostos sujos mas ternos.”
 
(1)   Nota do autor do blogue -O primeiro avião a transportar refugiados do Quitexe saiu do Uíge no dia16 de Março e foi alugado por particulares pois o Estado, inicialmente, nem esse transporte assegurou (Ver Quitexe 61)
 
     (2) Nota do autor do blogue – Trata-se do casal Guerra – ver aqui)

 Mais adiante retoma o tema do abandono a que estão votados estes valentes homens, sem exército, sem armas, sem qualquer apoio:

 

“Trago os olhos pisados das imagens da morte. Não quero mais repetir o dia de ontem e os que estão para lá do dia de ontem. Não quero mais ver morrer estes meus bravos companheiros. E se eles morrerem, os heróis do Quitexe que ontem eu vi despertos às quatro da madrugada, sentados no pavimento do edifício da Administração, de dedos nos gatilhos e os olhos raiados de sangue das vigílias (…) – então quero também lutar com eles. E morrer com eles, que me parece ser neste momento o seu destino.(…) E como nos vemos abandonados. Como é esmagadora e maior que as nossas forças esta solidão. E porque não vêm esses soldados? E porque não chega o auxílio que deve a Angola toda a Metrópole?”

.

.

 

Horácio Caio, nascido em Moçamedes em 1928 cresceu e estudou, no entanto, em Portugal. Em Janeiro de 61 partiu para Angola integrado numa equipe de cinema encarregue da produção de documentários. Foi apanhado pelos acontecimentos de Março de 61 e assim pode dar testemunho e notícia (sempre condicionada à censura vigente) da tragédia que se abatera sobre os brancos em Angola.

Embora a sua empatia com o regime de Salazar seja total é possível deslumbrar aqui e ali críticas quer à forma como os seus textos eram censurados (não culpando o regime, mas um ou outro serventuário), quer à política de abandono das colónias seguida até então pela ditadura. No entanto não deixa de remeter todas as culpas da revolta para os inimigos externos de Portugal, nomeadamente os novos países africanos e para as comunidades religiosas protestantes e tocoístas. Nem uma palavra sobre os desmandos das autoridades administrativas coloniais que criaram o terreno fértil para a sementeira de ódios recalcados. Nota-se, antes, uma velada apologia ou, pelo menos, justificação para a vingança e o ajuste de contas que se seguiu:

.

 “O desespero mina. Mina todas as pessoas. Há tiros todas as noites nos musseques de Luanda. A cidade já não desperta porque está desperta. Grupos de terroristas escondem-se nos bairros indígenas. Cada negro é um suspeito. Muitos são criminosos.”

publicado por Quimbanze às 21:25

link do post | comentar | favorito
|
3 comentários:
De L88 a 15 de Agosto de 2012 às 12:44
Boa tarde, por acaso não tem este livro em versão digital? É que no site onde estava hospedado, parece que aquilo caiu e não consigo entrar em contacto com os administradores daquele espaço
De José Carvalho a 15 de Agosto de 2012 às 19:44
Gostaria de saber do paradeiro actual de Eugénia Leonor Soares da Ressurreição, a quem foi dedicado o livro " Angola os dias do desespero"

Obrigado
De jose A. Amaral a 31 de Março de 2016 às 18:13
Quero compra o livro Angola, Dias do desespero por autor, Horacio Caio. Por favor, diga-me Como pode fazer isso

Comentar post

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Abril 2010

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
26
27
28
29
30

.posts recentes

. Pedro Francisco Massano d...

. “De Quibala a Malele (Nor...

. Angola - O Jardim dos Anj...

. ANGOLA (Do Meu Bornal de ...

. Catalogo dos governadores...

. O DESPERTAR DOS COMBATENT...

. Sangue no Capim (Cenas da...

. TU NÃO VISTE NADA EM ANGO...

. angola os dias do desespe...

. NAMBUANGONGO

.arquivos

. Abril 2010

. Setembro 2009

. Dezembro 2008

. Março 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Junho 2007

blogs SAPO

.subscrever feeds